+CampeonatosCampeonatosNotíciasNotícias do TourQualifying SeriesSurfistas

Título sulamericano feminino será definido no Chile em dezembro

A etapa do surf feminino já está confirmada

A WSL Latin America oficializa que a melhor surfista da América do Sul em 2019 será mesmo definida na etapa do Chile entre 13 a 15 de dezembro.

Os protestos no Chile geraram a mudança, mas agora já existe uma nova data.

Título sul-americano feminino será definido no Chile em dezembro.

A WSL Latin America anuncia oficialmente, que a campeã do principal título feminino de surfe profissional da América do Sul em 2019, será mesmo definida no Maui and Sons Pichilemu Pro by Royal Guard, nos dias 13 a 15 de dezembro nas ondas de Punta de Lobos, em Pichilemu, no sul do Chile.

O impasse ficou pela mudança de data, pois o evento estava marcado para os dias 31 de outubro a 02 de novembro, porém precisou ser adiado devido a insegurança gerada pela onda de protestos populares no país andino.

Como ficou para dezembro, os pontos só valerão para o WSL Qualifying Series de 2020, mas a WSL Latin America conseguiu que eles sejam computados no ranking regional de 2019, para que a decisão do título sul-americano aconteça mais uma vez na etapa feminina mais tradicional do continente.

Deck John John Florence

Disso Tito Toyola, um dos organizadores do Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro by Royal Guard:

“Nós tivemos que mudar a data do evento por causa das manifestações e o estado de emergência determinado pelo Governo do Chile. E agendamos a nova data junto com as autoridades de Pichilemu e da Região. Esperamos que, em dezembro, as manifestações já tenham terminado, para que possamos voltar ao trabalho normalmente e que o país tenha voltado à normalidade. Não temos como prever o futuro, mas todos acreditamos que tudo estará bem para realizarmos o evento da melhor maneira”.

A peruana Daniella Rosas, de apenas 17 anos, que ainda compete na categoria Pro Junior e está no Brasil para participar do Oi Pro Junior Series em Maresias, São Sebastião (SP), lidera o ranking principal desde a sua primeira vitória no Circuito Mundial da World Surf League, no Rip Curl Pro Playa Grande na Argentina.

daniela_rosas_
Daniela Rosas

A chilena Lorena Fica, 24 anos, perdeu a final em Mar del Plata, mas permaneceu em segundo no ranking depois da outra única etapa do QS esse ano no continente, o Héroes de Mayo Iquique Pro, que aconteceu também no Chile.

Lorena Fica vai competir em casa de novo e é a principal concorrente de Daniella Rosas nas ondas pesadas de Pichilemu. Enquanto Lorena busca um troféu inédito para o seu país, Daniella pode se tornar a surfista mais jovem a ser campeã sul-americana na história do título feminino, iniciada em 2007.

A peruana conseguiu um resultado melhor do que a chilena em Iquique e tem uma boa vantagem. Lorena já precisa chegar nas semifinais do Maui and Sons Pichilemu Pro para ultrapassá-la, desde que Daniella fique em último, se o evento for realizado no formato para 32 competidoras.

Caso termine mesmo em 25.o lugar, a peruana fica com 1.465 pontos no ranking e Lorena atinge 1.510 nas semifinais. A equatoriana Dominic Barona, que em 2018 ganhou seu segundo título sul-americano, está em terceiro na classificação das duas etapas disputadas e só ultrapassaria essa pontuação da Daniella, chegando na final em Pichilemu.

É a mesma chance também para a brasileira Tainá Hinckel e para a argentina Lucia Indurain, quarta e quinta colocadas no ranking, respectivamente. Tainá está bem perto do bicampeonato sul-americano Pro Junior, que pode conseguir já nesse fim de semana do Oi Pro Junior Series.

Taina Hinkel
Taina Hinkel

Outras duas surfistas, a chilena Jessica Anderson e a brasileira Julia Duarte, também poderiam superar os 1.465 pontos de Daniella Rosas, caso a peruana fique em 25.o lugar no Chile, porém somente com a vitória no Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro by Royal Guard.

Ainda tem as argentinas Josefina Ane e Lucia Cosoleto, que dividem o oitavo lugar no ranking e conseguiriam igualar a pontuação da peruana com a vitória em Pichilemu. Isso forçaria uma bateria extra no Chile, para definir a campeã sul-americana da temporada 2019.

HISTÓRIA – Esta será a sexta edição do Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro, sempre contando com grande participação de surfistas vindas de outros continentes também, que não pontuam no ranking sul-americano, somente no mundial do WSL Qualifying Series. E elas venceram a maioria das cinco etapas já disputadas. Desde a estreia em 2014, com a havaiana Dax McGill derrotando a argentina Josefina Ané na primeira final em Pichilemu.

sofia mulanovich
Sofia Mulanovich

Em 2015, deu Havaí de novo, com Alessa Quizon superando a única campeã mundial da América do Sul na história da World Surf League, Sofia Mulanovich. Mas, a peruana chegou na final novamente em 2016, para conquistar o título contra Leilani McGonagle. A surfista da Costa Rica acabou comprovando ser a melhor surfista nas ondas pesadas de Punta de Lobos, chegando em mais duas finais seguidas. Em 2017, conseguiu a vitória contra australiana Freya Prumm, mas perdeu outra decisão para uma peruana no ano passado, Anali Gomez.

Anali gomez
Anali Gomez

A história da etapa feminina do Circuito Mundial mais tradicional da América do Sul, terá um novo capítulo no Chile nos dias 13 a 15 de dezembro. Como já estava definido o encerramento do WSL Qualifying Series 2019 para os dias 15 a 17 de novembro na Austrália, o resultado da sexta edição do Maui and Sons Pichilemu Women´s Pro by Royal Guard ficou para abrir o ranking de 2020. Mas, a WSL Latin America conseguiu que os pontos sejam computados no ranking regional de 2019, decidindo o último título sul-americano da temporada.

#estamosnatorcida.

Etiquetas
Mostrar mais

Eduardo Barrionuevo

Eduardo Barrionuevo é surfista profissional e compete atualmente as etapas do CBSurf. Nascido em Iguape, atualmente ele treina no Guarujá e é um atleta do time da Gangster, entre outros patrocínios. Barrionuevo possui conhecimento profundo do mundo do surf dando uma visão crítica e especializada as notícias do portal . Edu é atleta patrocinado da Gangster, e recebe apoios da Águas Claras Sr. Altino, Botton Fins , D+Sports , Ótica Di Fiori, TH Surfboards e LivreSurf. Contato: eduardo@livresurf.com.br

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar