+CampeonatosCampeonato MundialNotíciasSurfistasSurfistas Brasileiros no CT - Masculino

Saiba como Gabriel Medina virou celebridade mundial

No ano da Copa do mundo de futebol Medina foi a bola da vez.

Em 2014 Gabriel Medina se tornou um dos surfistas mais dominantes de sua geração e em 2020 um dos ícones do esporte mundial.
gabriel medina

Saiba como Gabriel Medina virou celebridade mundial

O Pipe Masters de 2014 foi um momento fundamental na história do surf.
É o ano em que Gabriel Medina se tornou um dos surfistas mais dominantes de sua geração e um dos ícones do esporte no Brasil.

A exibição de Medina foi pura neve, quando ele conquistou o título mundial, e depois enfrentou Julian Wilson em uma das finais mais pesadas de todos os tempos . É notável pensar, mesmo agora, com o que ele conseguiu desde então, que ele tinha apenas 20 anos na época.

Gabriel Medina entrou no CT apenas três anos antes. Em 2011, houve um corte no meio do ano para a qualificação no CT e o brasileiro, juntamente com John John Florence, fez sua estréia no Trestles.

No evento seguinte, ele reivindicou sua primeira vitória no CT na França. Ele então ganhou outro no evento Search em San Fransisco. Ele terminou seu ano de estreia como o número 12 do mundo, apesar de surfar apenas cinco eventos.

Prancha de Equilíbrio

No entanto, ele não conseguiu sustentar esse começo empolgante. Depois de uma finalização altamente credível em 2012 terminando em sétimo, ele caiu em 2013 para 14º. Ele também falhou em aumentar sua contagem de vitórias por CT nesses dois anos. No entanto, isso foi resolvido rapidamente em 2014.

O prodígio brasileiro Gabriel Medina reuniu um impressionante desempenho vindo de trás para vencer o Quiksilver Pro Gold Coast contra Joel Parkinson.

No primeiro evento no Snapper, Gabriel superou veteranos como Joel Parkinson, Mick Fanning e Taj Burrow, a caminho da vitória. Ele foi o primeiro vencedor brasileiro nos 14 anos de história do evento. Além disso, a última vez que um pateta reivindicou o pódio foi Mick Lowe, em 2004.

Gabriel Medina
Gabriel Medina

Seria um tema que continuaria ao longo de 2014, pois Medina desafiou as expectativas e suposições sobre o tipo de surfista que ele era. Ele apoiou sua vitória inesperada no Snapper com uma vitória ainda mais surpreendente em Fiji. Ao fazer isso, ele quebrou o estereótipo preguiçoso de que seu surf era baseado nos aéreos.

Contudo, estereótipos arrasadores e títulos mundiais vencedores são dois assuntos diferentes. Enquanto ele tinha uma liderança sólida entrando no Pipe Masters, a pressão era imensa.

Com o Brasil tendo perdido recentemente a Copa do Mundo da FIFA e a temporada nacional de futebol terminada em outubro, toda a atenção esportiva estava em Gabriel. A pressão para trazer de volta o primeiro título mundial do surf para o Brasil foi enorme.

Parafina Fuwax
Gabriel Medina Quiksilver Pro Gold Coast Day 3
Gabriel Medina bicampeão mundial de surf

No Havaí, ele também teve o pequeno problema de Mick Fanning e Kelly Slater. Qualquer erro prematuro no Pipe de Medina e dois dos maiores surfistas de todos os tempos estavam prontos para atacar.

Talvez não tenha ajudado que Gabriel e Mick estivessem dividindo a mesma casa com vista para o pico. Mick não tinha nada a provar, ou perder, Medina tinha o oposto.

Disse Medina

“Eu sempre admiro Kelly Slater e Mick Fanning. Kelly ganhou seu primeiro título mundial quando nasci, talvez”, disse Gabriel na entrevista coletiva. “Mick é uma inspiração para mim, sempre o admirei. Kelly também é um cara legal. Não conheço homem, é pesado.”

Sua performance na época, e vale a pena reiterar que ele tinha apenas 20 anos, tinha tanto talento para surfar quanto pura força mental.

Sua derrota na rodada 3 de Dusty Payne, possivelmente no calor mais badalado do ano, deu o tom. Ele surfou Pipe e Backdoor contra o local e governou os dois.

Quando Mick Fanning perdeu para o amigo de Gabriel, Alejo Muniz na Rodada 5, o título mundial foi de Medina. A enorme massa reunida de torcedores agitando bandeiras brasileiras enlouqueceu na praia, assim como uma boa parte da população em casa.

Uma celebração brasileira enquanto os fãs se reúnem em torno de seu primeiro campeão mundial.
Continuou Gabriel:

“Ganhar o título mundial era o meu sonho e agora é realidade. Estou seriamente chocado. O Brasil está festejando agora, eu acho”, disse ele depois. “Não sei por que sou eu, mas estou realmente feliz e tenho muito orgulho de ser brasileiro”.

O fato de ele ter superado a barreira emocional dessa vitória e ainda ter vencido mais duas baterias para avançar para a Final mostrou como ele está no controle do ambiente competitivo. Foram necessários Julian Wilson e um total de 19.63 para derrotar o novo Campeão do Mundo. Mesmo assim, ele ainda conseguiu 10 pontos, o primeiro no Pipe.

E assim o nosso brasileiro atingiu seu primeiro título mundial e grande fama.

Gabriel Medina campeão Jeffreys Bay 2019 foto wsl
bicampeão mundial de surf

Em 2018 Medina conquistou seu segundo título mundial e agora seis anos depois se tornou um ícone esportivo brasileiro. Saiba Mais

No entanto, foi a vitória no Pipeline Masters de 2014 que primeiro gravou seu nome na história do surf mundial.

E a LivreSurf parabeniza Gabriel Medina pela sua história.

#estamosnatorcida

Etiquetas
Mostrar mais

Eduardo Barrionuevo

Eduardo Barrionuevo é surfista profissional e compete atualmente as etapas do CBSurf. Nascido em Iguape, atualmente ele treina no Guarujá e é um atleta do time da Gangster, entre outros patrocínios. Barrionuevo possui conhecimento profundo do mundo do surf dando uma visão crítica e especializada as notícias do portal . Edu é atleta patrocinado da Gangster, e recebe apoios da Águas Claras Sr. Altino, Botton Fins , D+Sports , Ótica Di Fiori, TH Surfboards e LivreSurf. Contato: eduardo@livresurf.com.br

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar