Rio Pro

Filipe Toledo é tricampeão do Oi Rio Pro 2019

O evento feminino foi vencido por Sally Fitzgibbons

O Oi Rio Pro 2019 terminou minutos atrás com uma praia lotada direto do Maracanã do Surf: Saquarema.

Filipe Toledo ergueu a bandeira brasileira para enlouquecer a praia que gritava seu nome.

A bateria final, contou com domínio completo do atleta de Ubatuba, que logo no começou mandou um 9,37 e um 8,67 que colocaram o sul africano Jordy Smith de uma combinação da qual ele não conseguiu sair.

(novas fotos serão adicionadas a matéria na medida que chegarem a nossa redação)

Filipe Toledo 2 Oi Rio Pro 2019 Flavio Borges

É a terceira vez que Toledo vence o Oi Rio Pro:

Prancha de Equilíbrio
Filipe Toledo e Sally Fitzgibbons Oi Rio Pro 2019 foto wsl
RIO DE JANEIRO, BRAZIL – JUNE 23: (left-right) Sally Fitzgibbons of Australia and Filipe Toledo of Brazil, winners of the 2019 Oi Rio Pro at Barrinha, Saquarema on June 23, 2019 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Damien Poullenot/WSL via Getty Images)
Filipe Toledo Oi Rio Pro 2018
Filipe Toledo Oi Rio Pro 2018
Filipe Toledo Oi Rio Pro 2015
Filipe Toledo Oi Rio Pro 2015

A praia lotada explodiu para gritar é campeão!

Filipe Toledo Oi Rio Pro 2019
RIO DE JANEIRO, BRAZIL – JUNE 23: Filipe Toledo of Brazil wins the 2019 Oi Rio Pro for the third time in his career and the second year in a row after winning the final at Barrinha, Saquarema on June 23, 2019 in Rio de Janeiro, Brazil. (Photo by Damien Poullenot/WSL via Getty Images)

Veja abaixo a descrição das baterias brasileiras do evento masculino, do dia de hoje:

Filipe Toledo x Kanoa Igarashi (quartas de final)

Logo que sou a buzina Kanoa Igarashi mandou uma rasgada muito forte, seguida de uma aéreo que levantou a torcida com gosto o agridoce, afinal tudo isso foi contra o brasileiro Filipe Toledo.

Filipe Toledo respondeu encontrando uma onda da série onde entubou e na sequência mandou uma batida na junção dificílima de completar…mas que ele compeltou.

Na frente da bateria Filipe Toledo fez uma onda com rasgadas para se isolar na casa da somatória dos 10 pontos.

Parafina Fuwax

Sua liderança permitiu que ele começasse a se arriscar e procurar ondas que pudessem abrir para um aéreo, o que o público inteiro na praia estava esperando.

Kanoa Igarashi mostrou que ainda estava vivo na bateria entubando fundo uma onda que infelizmente para ele, mas com exclamações de alívio dos brasileiros, esmagou o japonês.

No último minuto Kanoa Igarashi encontra uma onda boa, mas Filipe Toledo utiliza sua prioridade para evitar a evolução do japonês.

Nos últimos minutos a torcida cantou junto últimos segundos em contagem regressiva e vibrou a vitória de Filipe Toledo.

Gabriel Medina x Kolohe Andino (quartas de final)

A bateria começou com todos olhando para cima pois um jogo de aéreos era esperado de Medina e Kohole Andino.

Kolohe completou um aéreo duvidoso pois parece que caiu, levantou, caiu, levantou, mas a nota veio .

Mas Medina mandou na sequência um full rotation e este sim foi completo e levantou a torcida no Maracanã do surf.

A parte no final da bateria foi emocionante, Kolohe conseguiu virar com um aéreo completo, e nos últimos momentos se preocupou em defender sua prioridade contra Medina.

Em minha opinião, Medina perdeu para ele mesmo, perdeu precisando de pouca nota, perdeu porque decidiu dar um aéreo rodando quando poderia ter mandado belas batidas e superado seu adversário.

Mas ainda assim, Medina é um ídolo e saiu ovacionado pelo público.

Filipe Toledo x Frederico Morais (Semi final)

Bateria tensa do início ao fim, o silêncio na praia só era quebrado pelos gritos de vendedores.

Toledo dominou a bateria o tempo todo, mas isso não garantiu uma vitória fácil.

Frederico ficou o tempo todo a espreita, parecia que a cada onda que dropava poderia ser o momento da virada.

Os últimos momentos da bateria deve ter sido desesperadores para o português, pois foi quando Filipe fez um 8,67 isolando-se na frente da bateria, mas ondas cessaram e apesar de ter a prioridade as chances eram improváveis.

Filipe Toledo x Jordy Smith (Final)

O público na praia não conseguiu ficar sentado, levatava-se a cada onda.

As ondas era de difícil leitura, muitas fechavam, as que abriam tinham um tempo curto de manobra, técnica e experiência se fizeram necessárias.

Mas na terceira onda, início da bateria, Filipe encaixou um belo tubo seguido de um aéreo, que lhe rendeu um 9,37.

Isso deve ter desestabilizado o sulafricano, que não acertou mais nada, foi esmagado por diversas ondas mas não conseguiu reagir, e ainda viu Toledo pegar um 8,67, que coloca a prova qualquer espírito competitivo.

Toledo saiu da água de Jet Ski com a bandeira brasileira em mãos enquanto todos na praia gritavam seu nome.

 

Etiquetas
Mostrar mais

Rodrigo Morais

Especialista no mercado de tecnologia com 17 anos de experiência, focado em segurança da informação. Surfista amador frequentador das praias da vibrante ilha de Guarujá. Fotógrafo especializado na captação de esportes, especialmente o surf. Contato: rodrigo@livresurf.com.br

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar